top of page
  • Foto do escritorHavane

Releituras sobre Duane Michaels: Coisas necessárias para fazer magia contemporânea


Melo, H. Coisas necessárias para fazer magia contemporânea: releituras de Duane Michaels

Frequentemente adjetivado como storytller, Duane Michals compunha a vanguarda da fotografia norte americana na década de 1960. Em 1989, ele nos apresentou a duas receitas místicas através de suas fotografias Coisas necessárias para fazer magia e Coisas necessárias para escrever músicas de fadas. Marcado por um estilo narrativo sequencial sutilmente bem-humorado, o trabalho desse autor apresenta um caráter surrealista, com cenas criadas para representar conceitos e nunca registros. Quase 30 anos depois, traçamos uma releitura dessas duas obras e, sob o viés da contemporaneidade, concebemos fotografias baseadas nos seus ingredientes místicos e sua paleta de cores.


Através desse olhar é que tentamos discutir o conceito de magia, entendida como uma prática baseada na crença de ser possível influenciar o curso dos acontecimentos, através de fórmulas e rituais, valendo-se da intervenção de seres fantásticos e da manipulação de princípios ocultos presentes na natureza.


Vale ressaltar que um dos méritos de Duane Michals é pensar a fotografia sob um viés, até então, pouco explorado: o da fotografia ficcional. Suas narrativas, geralmente oníricas e fantasmagóricas, trazem um exímio apuro técnico em relação à montagem fotográfica numa época em que a fotografia digital e os programas de edição não existiam. Nesse contexto, seu estilo foi inovador e surpreendente, pois, enquanto ainda se acreditava que a função fotográfica predominante era o registro, o autor trouxe novas reflexões acerca da linguagem e da técnica, abrindo portas para o que, mais tarde, viria a ser conhecido como fotografia fine art (BITTENCOURT, 2015) na arte contemporânea.


Para mim, mais que um conceito, é a linguagem predominante em minhas pesquisas fotográficas que buscam, principalmente, utilizar da narrativa, da ficção e da metáfora para expor críticas ou provocações sutis, que despertem a reflexão do observador.



Necessary Things for Writing Fairy Tunes e Necessary Things for Writing Fairy Tunes , ambas de 1989

Em tradução livre, temos:

Coisas necessárias para fazer magia:

  1. Um filhote de coelho e uma cartola;

  2. O aroma de lírios do vale;

  3. A última rosa do verão;

  4. Sementes de jack in the pulpit (pequena flor azul também conhecida como não-me-esqueças, cuja origem é cercada de lentas);

  5. O agulhão de uma vespa;

  6. Pó de ametista;

  7. Uma velha carta de amor encontrada em um livro perdido;

  8. O azul de Miosótis (pequena planta herbácea que podem ser cultivas em jardins sombrios);

  9. A canção de um canário silvestre.

Coisas necessárias para escrever música de fadas:

  1. O zumbido do ninho de um beija-flor;

  2. O silêncio dos cogumelos;

  3. O som das colônias selvagens crescendo;

  4. O rugido do oceano em uma concha do mar;

  5. O zumbido de uma vespa amarela;

  6. Dados para o azar;

  7. Suco de cereja para escrever as notas.;

  8. Um trevo de quatro folhas para a boa sorte;

  9. Uma bola de cristal para ver as notas.




13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page